20 de abr de 2009

Alimento da metade do mundo

Os campos de arroz estão espalhados por toda Bali. Não consigo imaginar o que seria da ilha e de sua cultura sem esses maravilhosos arrozais verdes e dourados. Foto: Edu Green

Acabo de receber um email do GreenPeace alertando para o risco iminente que o arroz, o mais tradicional dos alimentos, está sofrendo. A gigante indústria química alemã Bayer criou um grão geneticamente modificado que contém altas doses de um pesticida super tóxico que vai por a nossa saúde, nossa agricultura e a biodiversidade em risco.
Em breve, a União Européia vai decidir se o arroz da Bayer pode ir para o prato do europeu ou não. E as consequências serão mundiais. Se a medida for aprovada, fazendeiros dos Estados Unidos e de outros lugares do planeta logo logo vão começar plantar o grão manipulado.
O arroz é comida do dia-a-dia para a metade da população mundial e é cultivado a mais de 10 mil anos em 113 países. Para milhões de pessoas, o arroz não é apenas um alimento, é um modo de vida.

ASSINE A PETIÇÃO AQUI! NÃO TEMOS MUITO TEMPO!!!

Leia a notícia na íntegra, em inglês

9 comentários:

  1. Oi tati. É importante lembrar o que a introdução das máquinas de polir arroz fizeram com as comunidades asiáticas, desencadeando uma avalanche de Beri Beri, uma hipovitaminose.
    bjs
    edward

    ResponderExcluir
  2. Tati querida, que bom ver vc engajada em sua vida, no seu querer e de olho no mundo.
    É sempre uma inspiração pra gente que tá aqui, enfrentando 100 / 150 km, de lentidão em SP.
    Veja muito e nos conte muito sempre
    bj
    Isa

    ResponderExcluir
  3. Pois é Ed, foi assim, com a chegada das máquinas, que o fandango- a dança caiçara por excelência - virou coisa de museu (veja o projeto Museu Vivo do Fandango). Como eu não resisto, aí vai uma pequenina história: nos tempos de antigamente, o arroz cultivado nas áreas alagadas do litoral sul do Brasil era descascado no tamanco. Os caiçaras espalhavam o grão pelo assoalho da casa e pisavam sobre ele até que a casca se desprendesse do arroz. E pá daqui, e pá de lá, nasceu o ritmo do fandango. Depois veio a viola e daí... bom, se você quiser "ouvir" mais histórias do caiçara, eu rrrrrecomendo o livro VIDA CAIÇARA, editado pela A Books. Pode encomendar pelo site. http://www.animacultural.com.br/
    A pesquisa e o texro são de minha autoria, viu?

    ResponderExcluir
  4. Ah, e a Isa, essa moça que enfrenta os congestionamentos homéricos de Sampa, é a produtora gráfica do livro Vida Caiçara. Top Quality! Isa, fico feliz coma sua aparição. beijos!

    ResponderExcluir
  5. Assinei a petição assim que vi o seu blog. Isso é muito sério mesmo,hein? Mas até no arroz nosso de cada dia???? Alto lá! Onde vamos parar? Desse jeito não há barriga que aguente e vida que se sustente! Salve o arroz, salve o cateto! Sônia Hirsh deve estar dando pulos dentro da sopa do Pai José. Ufa! Que bom que socializa conosco um olhar permeado de beleza e realidade. Beijos

    ResponderExcluir
  6. tutubarão, você é uma peça rara! Hum, a sopa do Pai José é divina. Deixa sair! amo vc, mana.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Tatiana, gosto muito do seu blog e por isso coloquei um link dele no meu.
    Espero que não tenha problema.Se quiser pode dar uma olhada no meu blog, não é nada que denigra a sua imagem.


    Desde já agradeço.
    falou!

    ResponderExcluir
  9. Gilherme, é um prazer ter o Green Short Stories linkado no teu blog. Fico feliz que algumas das minhas ideias possam inspirar mais e mais pessoas a compatilharem idéias e novos projetos em rumo a uma vida mais saudável. Força na peruca!

    ResponderExcluir